Formação Continuada da Escola APMF Recursos da Escola Clima Rádio Escolar Serviços Públicos de Apoio Escolar Notícias da Educação Notícias do Colégio Tarquínio em destaque Forum de Enquetes Educandos Boletim on line Fale Conosco Correio Elegante CELEM

Quantidade de Páginas visitadas

Millôr Fernandes é um conhecido escritor brasileiro e colunista da revista Veja.

Em 1949 escreveu “Poesia Matemática”, uma obra-prima. Mas, num de seus versos há um erro de definição o que, evidentemente, não tira o brilho da sua obra.

O texto a seguir é um fragmento da poesia de Millôr, que pode ser lida, na íntegra, no site do escritor: Millôr Online


POESIA MATEMÁTICA


Ás folhas tantas

do livro matemático

um Quociente apaixou-se

um dia

doidamente

por uma Incógnita.

Olhou-a com seu olhar inumerável

e viu-a, do Ápice à Base,

uma figura ímpar:

olhos rombóides, boca trapezóide,

corpo octogonal, seios esferóides.

Fez da sua uma vida

paralela à dela

até que se encontraram

no infinito.

“Quem és tu?”, indagou ele

em ânsia radical.

“Sou a soma dos quadrados dos catetos.

Mas pode me chamar de Hipotenusa.”



Identifique em que parte do texto está o erro.

 

 Toda semana será postado um problema para você resolver. 
Toda Quarta-feira você terá a resposta do problema anterior e um novo enigma para resolver. Participe.

1 – Um senhor de idade deixou o seguinte testamento:

“Deixo 1/3 da minha fortuna para minha única filha e o restante para a criança que ela está esperando, se for homem: deixo ½ da minha fortuna para minha única filha e o restante para a criança que ela está esperando, se for mulher.”

Após sua morte nascem gêmeos: um casal. Como deve ser dividida a fortuna?

2 - Eu tenho três bolas: A, B e C. Pintei uma de vermelho, uma de branco e outra de azul, não necessariamente nesta ordem. Somente uma das seguintes afirmações é verdadeira:

A é vermelha

B não é vermelha

C não é azul

Qual é a cor de cada bola?

3 - "Embora eu esteja certo de que meu relógio está adiantado 5 minutos, ele está na realidade, com 10 minutos de atraso. Por outro lado, o relógio do meu amigo está realmente 5 minutos adiantado. Nós marcamos um encontro às 10 horas e cada um de nós planeja chegar pontualmente e em cima da hora. Quem chegará em primeiro lugar? Depois de quanto tempo chegará o outro?

4 - Pedro e Paulo apostam uma corrida: Pedro corre a metade do tempo e anda a outra metade.

Paulo corre a metade da distância e anda a outra metade.

Se ambos correm e andam, respectivamente, com as mesmas velocidades, quem chegará primeiro?

5- Qual é o número que dividido por 2, 3, 4, 5 e 6 tem para resto, respectivamente 1, 2, 3, 4 e 5?

6 - Numa família, cada filha (moça) tem o mesmo número de irmãos e irmãs e cada filho homem tem duas vezes mais irmãs do que irmãos.

Quantas filhas (moças) e filhos(homem) há nesta família?


7 - A média das idades dos elementos de uma equipe de uma feira de ciências é 14,625.

Qual é o menor número de elementos que podem constituir a equipe?


8 - No Jardim dos números, os algarismos a e b passeavam a uma velocidade constante. Às 14:00 h já tinham percorrido ab metros, às 14:25 h ba metros e às 15:00 h aob metros.

Sabendo que no número aob o algarismo das dezenas é zero, mas o das centenas não, a que horas começou o passeio?

9 - Um destacamento de soldados precisa atravessar um rio muito profundo e sem pontes. Eles pedem ajuda a dois meninos que estão passando pelo rio num barco. Porém, o barco é tão pequeno que nele só cabem os dois meninos ou um soldado de cada vez.

Como eles fizeram para todos os soldados atravessarem o rio?

Solução: O menino A fica na margem oposta à margem na qual estão os soldados e o menino B leva o barco até os soldados. O primeiro soldado atravessa o rio e o menino A traz o barco de volta. Os dois meninos atravessam o rio, o menino A fica, e o menino B leva novamente o barco até os soldados. O segundo soldado atravessa o rio e assim sucessivamente.

10 - O epitáfio de Diofanto: Diofanto foi um matemático que viveu em Alexandria no século 3º. Foi o primeiro matemático grego a usar o simbolismo algébrico e sua obra nos chegou através de fragmentos do seu livro "Aritmética". Em sua homenagem, chamamos de equações diofantinas as equações cujas soluções devem ser números inteiros.
Pouco sabemos sobre sua vida, mas existe uma charada que, dizem , teria sido gravada no seu túmulo: "Aqui jaz o matemático que passou um sexto da sua vida como menino. Um dozeavo da sua vida passou com rapaz. Depois viveu um sétimo da sua vida antes de se casar. Cinco anos após nasceu seu filho, com quem conviveu metade da sua vida. Depois da morte de seu filho, sofreu mais 4 anos antes de morre.

"Quantos antos viveu Diofanto?

Solução:

x      x         x                 x   

_ +    -    +   -     + 5  +  -        + 4 = x Diofanto viveu 84 anos.

6      12      7                12     

11 - Num círculo formado por 10 pessoas cada pessoa escolhe um número e revela esse número aos seus vizinhos no círculo. Cada pessoa diz em voz alta a soma dos números dos seus 2 vizinhos. A figura mostra os números ditos em voz alta. 

"Qual foi o número escolhido pela pessoa que disse o número 7?

12 - São apresntadas 3 caixas, somente uma contém ouro, as outras estão vazias. Cada caixa tem uma pista sobre seu conteúdo. Só uma mensagem é verdadeira:

Mensagem 1ª caixa: O ouro não está aqui.

Mensagem 2ª caixa: o ouro não está aqui.

Mensagem 3ª caixa: O ouro está na 2ª caixa. 

"Qual a caixa que contém o ouro? Justifique.

 Teste seu raciocínio enviando mensagem.

 

 






























Validador

CSS válido!

Secretaria de Estado da Educação do Paraná
Av. Água Verde, 2140 - Água Verde - CEP 80240-900 Curitiba-PR - Fone: (41) 3340-1500
Desenvolvido pela Celepar - Acesso Restrito